sábado, 16 de julho de 2016

Mãe é Mãe.

   A família é a primeira porção da sociedade da qual tomamos conhecimento. É com ela que descobrimos as noções de hierarquia, o valor de uma alimentação saudável, da higiene, que existem leis e que seu não cumprimento gera punições e etc.
    Com todos os seus defeitos, qualidades e esquisitices, os pais ainda são a referência de vida dos filhos. Seja do que fazer ou do que NÃO fazer. Entretanto, tenho percebido uma tentativa de desvalorização do papel dos pais. Eles têm sido mostrados como desnecessários e até mesmo como empecilhos.
    Veja os heróis, aqueles que as crianças enxergam como exemplos: Spider-man, Batman, Harry Potter, todos os Cavaleiros do Zodíaco, o Naruto e o Goku são apenas alguns exemplos de órfãos que parecem ter se dado muito bem sem uma supervisão materna/ paterna. Os valores que eles conhecem foram adquiridos por osmose, com os amigos ou com pessoas que eles escolheram admirar.
     É quase como se uma ideia estivesse sendo vendida: os pais te limitam, eles te protegem demais, escute seus amigos, só eles acreditam e confiam em você de verdade. Entretanto, em meio a toda essa mentalidade mundana, um exemplo maior nos foi dado. Alguém que para legitimar o verdadeiro valor da família e provar sua beleza, escolheu crescer em uma mesmo sem precisar. Jesus de Nazaré.
     Ele poderia ter vindo dos céus cheio de glória e majestade, falado aos homens com autoridade divina, mas escolheu nascer pequeno e indefeso. Ser cuidado, alimentado, ensinado a falar e andar. Receber lições sobre hierarquia, leis, higiene, o valor da alimentação saudável e acredite, isso fez toda a diferença.
     Por isso, se tem algo que eu não compreendo é como a terra que Jesus pisou é considerada terra santa, as palavras que ele disse são consideradas santas, mas existe tanta resistência em assumir que o ventre que o trouxe ao mundo também é santo. Que a família que o acolheu é sagrada. Os discípulos de Jesus não foram escolhidos por acaso, por quê a mãe dele seria? Realmente acham que ele ficou sentado do alto dos céus com o dedo apontado pra Terra e dizendo "Uni-duni-tê"?
     Jesus disse "Eu saí de Deus. É dele que eu provenho, porque não vim de mim mesmo, mas foi ele quem me enviou" (João 8,42), e se Jesus provém do Pai, como poderia não cumprir os mandamentos do Pai? Como poderia deixar de honrar pai e mãe? Escutar sua intercessão é uma forma de honraria. E a intercessão de certa mãe durante um certo casamento foi capaz de apressar o Tempo de Deus, nunca mudar sua vontade, mas levá-lo a adiantar seus planos.
     Hã quem diga: essas pessoas estão mortas, elas não podem pedir mais nada a Deus. Estes provavelmente esqueceram das palavras do Senhor, pois "Em verdade, em verdade vos digo: se alguém guardar a minha palavra, não verá jamais a morte" (João 8,51). E, se houve no novo testamento alguém que soube ser obediente a Deus, esses foram Maria e José.
     Maria viu a possibilidade de ser apedrejada como adúltera por aparecer grávida sem ter coabitado com José, mas confiou na providência divina, aceitou sua missão e ficou repleta do Espírito Santo. José, abriu mão de seus planos e sonhos para manter o salvador seguro, estava alerta a voz do mensageiro do Senhor para deixar o que quer que conquistasse e seguir em frente sem olhar para trás. Como alguém pode ousar dizer que estas são pessoas comuns? Quem se lançaria nos projetos de Deus sem pensar duas vezes?
     Cresci em uma família protestante e por isso tive muita resistência a imagem de Maria durante muitos anos, mas aos poucos, estou dando a ela mais espaço na minha vida. Se um dia Eric Clapton se oferecesse para me dar uma aula de guitarra eu não negaria. Se o Frank Miller quisesse me dar uma aula de desenho, eu daria uns pulos de alegria. Então, acho que seria uma grande burrice da minha parte escolher permanecer órfão quando A Mãe de Deus está se oferecendo para me adotar.
     Uma consideração final para fins de conhecimento: Eu sou o Bruno Santos, mas também sou o Bruno irmão de Nayana, o Bruno filho da Lenira, o Bruno da Carol, Bruno do ministério de Música, Bruno de Niterói, etc. Se até EU posso ter um monte de títulos sendo a mesma pessoa, qual a dificuldade para entender que Maria é uma só? Maria de Nazaré, Nossa Senhora Aparecida, Nossa Senhora das Graças, Nossa Senhora de Guadalupe e etc, nada mais são que títulos diferentes dados para a mesma pessoa.
     Uma pessoa que amou a Deus e exultou seu nome através da própria vida:

"E Maria disse: Minha alma glorifica ao Senhor,
meu espírito exulta de alegria em Deus, meu Salvador,
porque olhou para sua pobre serva. Por isto, desde agora, me proclamarão bem-aventurada todas as gerações,
porque realizou em mim maravilhas aquele que é poderoso e cujo nome é Santo.
Sua misericórdia se estende, de geração em geração, sobre os que o temem.
Manifestou o poder do seu braço: desconcertou os corações dos soberbos.
Derrubou do trono os poderosos e exaltou os humildes.
Saciou de bens os indigentes e despediu de mãos vazias os ricos.
Acolheu a Israel, seu servo, lembrado da sua misericórdia,
conforme prometera a nossos pais, em favor de Abraão e sua posteridade, para sempre." (São Lucas 1,46-55)

Ass: Bruno Santos

Gostou do texto? Então curta nossa página no Facebook e acompanhe as próximas postagens.